7 - EPÍLOGO

  

O planeta Terra tem uma única característica diferente dos outros planetas do universo hoje: ele suporta a vida. Todos os planetas são iguais, mas um é portador da VIDA. Poderá existir outro, mas hoje sabemos com nosso conhecimento que somente a Terra é habitada por organismos vivos. Como repercutiria na Terra descobrir-se um outro planeta habitado?

A vida é o equilíbrio entre a oferta e a demanda. Sem equilíbrio, tem-se a violência pelo excesso da oferta e escassez da demanda ou escassez da oferta e excesso da demanda. Na demanda "capitaliza", a oferta é "fruto do trabalho", a vida é a satisfação sinergética da oferta e da demanda e o senso do hábitat é o resultado, ou Ecossenso.

Os organismos vivos, o homem ao centro, têm a faculdade de trabalhar para oferecer e a vontade de ter para pedir. As duas tendências são integradas a nossas células e a troca, interna ou externa, é a vida. O local da troca das produções materiais foi um templo, um mercado, depois um porto. O pensamento maniqueísta, antecipado pelo desregulamento do homem que se especializou pelo lado da demanda e da mulher que se especializou pelo lado da oferta, tentou conservar o equilíbrio e a vida pelo amor no quadro perfeito da natureza. A troca homem e mulher é sacralizada pelo casamento. Mas devido ao princípio da vida, a natureza não admite a especialização, obriga à evolução e desenvolveu os dois lados, do homem ou da mulher. Daí, os problemas de casais e do progresso atual do domínio da mulher.

Quando há o excesso de demanda, existe miséria, pobreza, doença e precisamos provocar uma produção suplementar de oferta: é o fundamento das religiões com as ofertas e sacrifícios que são simplesmente as ofertas transformadas no sentido da sacralização em presença de um Deus imaginado presente.

São também as atividades de grupos de homem e mulher capaz de dar de si sem remuneração e sem pagamento, simplesmente para responder a chamada inata da vida.
Essa chamada inata de oferta é talvez a força definida pelo Presidente 91-92 do Rotary International Rajendra K. Saboo na mensagem da Assembléia Internacional: "Cada um de nós tem um pouco de Louis Pasteur, Florence Nightingale e Madre Tereza dentro de si. Mas, primeiro temos que nos dar conta disso através de uma busca interior, e sentir a poderosa força que eleva o espírito humano a níveis cada vez mais elevados. à Essa força interior valoriza ainda mais a nossa vida e dá origem a ações que vão além de simples atividades".


O ROTARY INTERNATIONAL : UM EXEMPLO
O Rotary International é a melhor representação desse senso. Um grupo de homens e mulheres que tem a única preocupação de "dar de si antes de pensar em si". As atividades são controladas pelas quatro provas básicas do objetivo do Rotary, não pela noção maniqueísta do bem ou do mal.

A primeira é o controle da informação: é a verdade? A segunda é o controle do equilíbrio: é justo para todos os interessados? A terceira é o controle do sentido: criará boa vontade e melhores amizades (o amor, a vida)? A quarta é o controle do universalismo: será benéfico para todos os interessados? Por isso o símbolo do Rotary é uma roda de engrenagem e é internacional. A organização é dirigida por um Presidente pelo período de um ano e seu Conselho Diretor, sem necessitar da falsa democracia representativa, ela apresenta uma estabilidade perfeita na transmissão de todos os poderes a cada ano. A designação dos presidentes e governadores e outros cargos é feita pelo voto de compromisso e pela seleção natural interna, como Aristóteles propôs na formação da politéia.


O SENSO E A INTENSIDADE DA INFORMAÇÃO
O equilíbrio precisa do senso, ou seja, da faculdade de apreciar o sentido de um fenômeno, em mais ou menos. É por isso que nós somos providos de diversos sensos, além da faculdade da inteligência, da intuição, da mente.

O maniqueísmo do bem e do mal, do equilíbrio e do direito, da mulher e do homem, do capital e do trabalho, não facilitou a conquista do equilíbrio. Por isso precisamos considerar o sentido e não o estado. Lembro-me de um jesuíta francês, que querendo ilustrar o pecado e o estado de graça, dividiu um quadro em duas áreas e desenhou uma linha sinuosa percorrendo o quadro inteiro. Todas as partes em direção a Deus são os estados de graça, todas as partes em direção oposta a Deus são os estados de pecado e não são as áreas direita ou esquerda - ou o bem e o mal.

Assim, a humanidade conheceu o capitalismo e o socialismo com o Primeiro Mundo e o Segundo Mundo, como o bem e o mal correspondendo a cada lado. Quando o excesso de demanda de dois lados foi agudo permitiu-se considerar o Terceiro Mundo, países da natureza explorada, subdesenvolvidos, pouco capitalizados.

A valorização da natureza seja provocada pelas catástrofes ecológicas, guerras, Chernobyl ou petróleo no Alasca - seja pela venda do gás siberiano na Europa ou reajuste do preço do petróleo, ou ainda, pela descoberta das relações entre a vida dos diversos organismos vegetais e animais na natureza, não se fará pela ciência fria - ecologia - mas pelo controle, proteção e cultura das relações intimas entre o hábitat e os organismos vivos providos de sensos - Ecossenso.


BRASILEIROS SACERDOTES DO ECOSSENSO
Os brasileiros são sacerdotes dessa cultura da vida e da paz e membros de uma civilização anunciadora da integração possível de Capital, Trabalho e Ecossenso. Muito longe da retórica dos economistas, de demonstração filosófica e da igualdade comunista, os brasileiros integram já as capacidades de desenvolvimento em tríade. Historicamente a conferência de 1992 poderá ser o início da nova ordem mundial, quando se definir algumas orientações para o desenvolvimento da humanidade:

 

- orientação nova das capacidades militares e redução dos alvos dos armamentos;

- revisão dos conceitos democráticos para aumentar a participação de todos com ética e justiça;

- arrecadação de uma renda da natureza sobre as energias e matérias-primas para suprir uma caixa de compensação destinada ao financiamento de programas de prevenção e proteção ambiental, de transferências tecnológica e de luta contra a miséria;

- reorganização política para voltar à especificação dos três poderes reais: entidades de classes, indústria, comércio, acadêmica, militar (Senado), o povo (Câmara de Deputados) e entidades da natureza (Casa da Terra).

Mais uma vez constata-se que o Brasil é muito avançado, comparado aos blocos mundiais; temos:

- uma miscigenação racial que traz, além das qualidades de vida em paz, uma capacidade integrada do Yin e do Yang;

- uma riqueza natural a ser valorizada;

- uma Constituição a revisar sem nenhum complexo maniqueísta do certo ou errado;

- confederações de entidades profissionais integradas aos potenciais nacionais e associadas às forças transnacionais;

- uma língua única, sem dialetos, portanto facilidade de comunicação;

- um "espírito" para entender os bichos, animais, vegetais, mar e rios;

- e enfim, um ritmo que dá o compasso a vida feliz.